sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Livro "Luz em Einstein"



     

     
Livro "Luz em Einstein", de Carmen Fossari, após ter sido lançado na Bienal Internacional do Livro, em São Paulo  é lançado em Florianópolis  no EXPERIMENTA




O livro "Luz em Einstein", de autoria de Carmen Fossari,  após ser lançado na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, Estande Loyola/Brandão,  terá uma  sessão de autógrafos  no dia 30 de Outubro  em Florianópolis às 19.30 horas, durante a programação do Projeto Experimenta , promovido pela Secretaria de Cultura da UFSC, SecArte /UFSC.
O lançamento do livro (Editora Luiza Moreira, Delicatta, São Paulo) ocorrerá na Igrejinha do DAC ( Departamento Artístico Cultural) a rua Victor R. Des. Vítor Lima, 117 - Trindade, Florianópolis - SC, 88040-400
Durante o lançamento do livro “Luz em Einstein” acontecerá uma intervenção visual nas paredes externas da antiga Igrejinha e no Teatro da UFSC, através de projeções  de fotos sobre a vida de Albert Einstein e cenas da peça, do texto do livro.O texto  teve duas apresentações no ano passado e  terá uma nova montagem, com  temporada em Novembro do ano em curso.

Sobre o livro


O livro "Luz em Einstein" traz a peça teatral que trata da vida e obra de Albert Einstein. Três atores interpretam o personagem de Albert Einstein: AE1, dos 18 aos 30 anos; Albert Einstein Jovem (AEJ), dos 30 aos 55 anos, e Albert Einstein (AE) com a idade de 55 aos 76 anos de idade.

O texto prioriza o jogo que se estabelece na relação do espaço/tempo com a presença simultânea das três personagens Einstein em tempos diferenciados de sua vida.

A seleção dos momentos elencados e recriados na peça objetivam, ao trazer aspectos do infindo universo da vida do gênio Albert Einstein, priorizar a cultura da paz, tanto apregoada por ele, um ferrenho antibelicista. O cientista e o cidadão, o humor e o amor, a mente laboratório e o coração imenso, assim chega ao nosso palco Albert Einstein personagem, que se divide em três personagens.

Há no livro algumas licenças poéticas. A cena sobre o filho adotivo de Hans só ocorreu quando viúvo da primeira esposa em segundo casamento; Walther Mayer provavelmente foi assassinado pela polícia nazista, mas em homenagem a amizade que nutria por AE, nesta peça o personagem acompanha AE aos EEUU.


Dentre os fatos que o cientista viveu elencados nesta dramaturgia: a Alemanha pré-segunda Guerra Mundial, a América macartista, a criação do Estado de Israel, o erro – por Einstein assumido e lamentado – ao projetar que a Alemanha estava produzindo uma bomba atômica e o que o fez escrever uma carta alertando tal fato ao Presidente Roosevelt e que – tal carta – caindo em mãos outras acabou acelerando a criação e o uso da bomba atômica – projeto que já estava em andamento nos Estados Unidos. A militância antibelicista nesta peça teatral revela um aspecto muito marcante da vida do gênio da ciência moderna, aliás, fator motivador desta obra.

O texto perpassa pelas teorias que vão sendo reveladas ao público no transcorrer da peça, mescla-se à rigidez de algumas cenas do universo da ciência, como os postulados de Einstein com cenas onde habitam personagens do universo de cotidianidades que trazem o lado lúdico,
     ao tempo de estar em constante abstração  para suas elaborações físicas ,mantinha um  fino humor , e sabia rir de si mesmo, ficando sempre perplexo de como despertava a idolatria das pessoas . Implacável  com o mundo bélico , sofreu  com a chegada ao poder de Hitler, exilando-se , até sua morte, na América do Norte.
A autora  ressalva  que o texto começou a ser pesquisado para a celebração do Ano da Luz da Unesco e que por diversos motivos acabou se prolongando. Um fator motivador a autora credita às palestras que o astrofísico e presidente do Grupo de Estudos de Astronomia (GEA) da Universidade Federal de Santa Catarina Adolfo Stotz Neto proferiu ao Grupo Pesquisa Teatro Novo — vinculado ao Departamento Artístico Cultural (DAC)/SeCArte da mesma Universidade — sobre o universo da obra de Albert Einstein. "Desde então milhares de páginas lidas, desde biografias, as obras autorais e sobre ele em três anos intensos onde o sol e a lua eu espreitava sob o prisma einsteiniano", diz a autora.

Einstein e seus enunciados científicos revolucionaram a Ciência, junto com seus pares cientistas – a física quântica quebrou paradigmas.
 O  desenvolvimento acelerado das tecnologias modernas que abarcam a sociedade do conhecimento bem como a compreensão do movimento do universo, da relatividade do tempo, o tempo-espaço — como uma dimensão indissociável — não resultam, dada a genialidade de seus enunciados, menores do que o exercício de sua cidadania: apregoou um mundo mais humano, de Paz, e a isto deve o teatro à sua cena.
Sobre a autora
Carmen Fossari é natural de Florianópolis, filha de Domingos Fossari e de Irene Maria Belli Fossari.
Mestre em Literatura Brasileira, pela UFSC, com opção em Teatro, e doutora, também pela UFSC, em Engenharia e Gestão do Conhecimento com a tese "Criacão do Conhecimento em Processos Dramatúrgicos à Luz do Texto Literário". Diretora de Espetáculos do Departamento Artístico Cultural (DAC)/SeCArte da UFSC. Coordenadora e professora da Oficina Permanente de Teatro da UFSC. Diretora e fundadora do Grupo Pesquisa Teatro Novo/UFSC.Recebeu no ano de 2018 o Prêmio Isnard Azevedo, concedido pela Fundação Franklin Cascaes de Florianópolis.
Atriz, escritora, produtora e diretora teatral já dirigiu e produziu mais de 60 peças teatrais nas categorias de Teatro Adulto, Infantil de Títeres e de Rua.
http://dac.ufsc.br/grupo-pesquisa-teatro-novo-gptn/carmen-fossari/ ]
Textos das orelhas do livro

Luz em Einstein
A Arte é uma ciência aonde a humanidade descobre e inventa a si mesma. A Ciência é uma arte  aonde a  humanidade descobre e inventa o seu próprio caminho. Unir as duas é tarefa nobre e reservada aos que sendo artistas são verdadeiros cientistas ao fazê-lo. Luz em Einstein demonstra claramente o quanto a teatróloga Carmen Fossari se torna uma cientista da arte ao nos encantar no palco com a vida do maior gênio do século vinte, imortal para todos os séculos, como a peça que aqui  vira livro.
Adolfo Stotz Neto - Astrofísico e escritor, Diretor do Grupo de Estudos Astronômicos (GEA) da UFSC

O estético e o ético em "Luz em Einstein"
"Luz em Einstein" de Carmen L. Fossari é, sem dúvida, um excelente espetáculo no sentido estético. Ótima direção, bons atores, figurino primoroso, iluminação perfeita e cenário criativo. Há, todavia, em "Luz em Einstein", um sentido ético que não se esgota no deslumbramento dos sentidos. Ali é mostrado um Einstein perseguido, tanto na Alemanha nazista, quanto pelo macartismo americano. Alguém que manteve seus ideais de liberdade e lutou pela paz e contra a injustiça. O que vi em "Luz em Einstein" não foi apenas uma pérola para os sentidos, mas um aviso de tempos sombrios e de injustiças. "Luz em Einstein" nos lembra que a arte é também consciência de um tempo. Ela nos alerta para o que foi e pode ser novamente, para o totalitarismo que anda à espreita.
Maria de Lourdes  Alves Borges "Dudi"
 Dra. em Filosofia, escritora e professora de Filosofia da UFSC.
SERVIÇO
O QUÊ: Lançamento do livro "Luz em Einstein", de Carmen Fossari, com a presença da autora

QUANDO: 30 de Outubro  de 2018, terça feira , com sessão de autógrafos às 19.30 horas
Com intervenção Visual  fotografias projetadas nas paredes externas  dos prédios da Igrejinha e Teatro da UFSC sobre avida de Einstein ( em caso de chuva, as projeções acontecerão, nas paredes internas da Igrejinha)
ONDE:  Igrejinha da UFSC  no Projeto EXPERIMENTA , SecArte/DAC/UFSCFoto  da Bienal em SP.



(Com textos e informações da autora do livro.)