sexta-feira, 30 de março de 2012

MANHÃ MORNA

MANHÃ MORNA



Carmenfossari























Esta janela faz-se,
De moldura
Que sustenta
Este azul talqual uma parede
Transparente
E traz em si ,
Abaixo
Deste céu, sob a janela,
E acima
Dos meus olhos
Meia cidade em metade
E do quarto vejo um quarto
Desta urbana arquitetura
Árvores ? Foram queimadas.
E cimentos carvões
Se empilham e fecham
Minha janela por janelas
Que vão surgindo
Em cada manhã
Velha ou nova
Luas ? O mar ?
Solapam pedaços da visão
As contruções,
E minhas tão mornas e tantas
Manhãs são todas idas,
Partidas
Por cinzas.
Acima
de meus olhos
Só esta tênue cor
Tão forte
Não fugiu o azul
E se enche de outras nuvens ( estou espiando )
Formam as almas em copas
Das árvores cortadas

(FOTO IMAGEM CAPTADA DA INTERNET , SEM INDICAÇÃO AUTORAL)

segunda-feira, 26 de março de 2012

TRAVELLING

TRAVELLING

Carmen Fossari

Minha vida em viagem etiquetada
Sob a mala que transporta
Mundo afora
Tantos mundos
De meu ser
Que já nem sei
Quando minhas mãos de
Espanto e surpresa
Retiram da bagagem
Mala aberta
Outros livros de poesias já nascidas

A bagagem de poemas já bem sei
Estão antes de ser e inda depois
Seguirão em viagem sem retorno
E noutras mãos e destinos seguirá
A mala com outras etiquetas de destino

Em deslocamento segue, um pouco de ausência,
Outro tanto de presença
Mais ainda de presente em futuro almejando
A rota da viagem vislumbrar

E, da poesia que emerge mala aberta
Um doce ar perfuma
As palavras e nelas,
Embrulhadas em fina lamina
Roça ao sangue em gotas minha pele
Não sangra de meu ser mais que a sensação
De ver pouco a pouco a vida
A esvair-se.
Detenho de aspirar doce perfume, do amor
Que muda todas as rotas
E faz eterna a nossa tão pequena rota
Debaixo da mala etiquetada
Que ora segue em seu destino de encontro.