quinta-feira, 26 de março de 2009

Ao meio dia, inteira.



Ilustração:PINTURA Semeador, de João Werner

Ao meio dia, inteira.
Carmen L. Fossari
O outono espiou sobre teu ombro esquerdo
E os sol já mais ameno
Tentou adentrar em raios na casa casca do caracol,
Dentre todos, o único que atingira estar
Ao topo do muro, entre o portão
E a parede alta
Aos outros, no muro aos musgos ressecados,
Trouxera o vendaval de chuva a umidade
E entre o lamaçal e a poça d´água a procissão de lesmas
Nem tão lerdas, nem tão certas
Caracoleando ao muro um mostruário
De incrustados estarem,nada mais vivaz
Que ali estarem ( antenas recolhidas).
Apenas ao topo no sol inesperado
Era de incomodo, a deixar a casa toda transparente
Do caracol ao cachecol em teu pescoço
Avisto ao ombro esquerdo o filete de sol
Ensolarado, meio zonzo sem saber onde adentrar
Se na casa sob o muro em caracol,
Se ao cachecol macio em seda que te envolve
Ao dilema do sol , sorrio eu
Pouso meu estar
não em muros
Se de pedras ou de ventos
Nem de caracóis em procissões

Nem ao filete do sol
Ensolarando este jardim
Que entre o muro e o jardim
Colhem meus olhos tu
Que do amor plantas
Os mistérios ,docemente
Como a portão aberto para a vida.

quarta-feira, 18 de março de 2009

UM POEMA ALEGRE



ILUSTRAÇÃO MATISSE - A MARGEM
UM POEMA ALEGRE
.

UM POEMA ALEGRE

carmenluciafossari

UM POEMA DE SOL
DE CIRANDA CANTADA
DE FLORES NO CAMPO
DE SONATA PRIMAVERL

DO MAR BORBULHANDO
ESPUMAS
LEVES ESPUMAS
QUE ME LEVAM E TRAZEM
AO LEITO DO RIO
E EU,RIO DA MAGIA
ABAIXO DA LINHA DO EQUADOR
SEM DORES CANTADAS
SEM O RIOS, TEMPESTADES
NA MARGEM DE ESTAR
ONDE DE PASSAGEM, PERMANECES
NA RUA QUE SEGUIMOS
OS MOMENTOS BREVES
E JÁ SOMOS DA TERNURA O ETERNO
E JÁ ESTOU OUTRA VEZ
A SEGURAR UM CORDÃO
PRÁ ENFEITAR MINHA FESTA
DE ESTRELAS E PONTAS DE LUZ
QUE NASCEM EM MEU CORAÇÃO.

terça-feira, 10 de março de 2009

Amnésia II


Ilustração de MATISSE

Amnésia II

carmenlucia fossari


Na memória trago partes
Oh partes repartidas
Que nunca em geografia
As unificarei
Nem bússolas
Que me levem mar adentro de minha alma
De procuras
Nem barcos repletos de fantasmas
Que duelam ao nevoeiro
Na imagem que se esvai

Oh partículas
Refratárias
Dos sonhos que não alcancei
E, assim sabendo
Adormeço de não ser
Do não ter
Do não saber

Só o instante me abraça
E nele minha fração
Em, sendo agora,
Beija a vida
Como um vento,
Uma chuva
Uma aurora boreal...

domingo, 8 de março de 2009



Ilustração BOTTICELLI

A Mulher
carmenfossari em 3 de março de MMVII

Ilha

A Mulher.


O mundo feminino
Abre-se de úteros
Como as flores em pétalas
Que amanhecem
Jardins, mundos, infâncias, flores

O ser mulher traz na história
Estórias das dores daquilo
Que um ser por qualidade de
Gênero criou do mundo
De nãos,e, que se revelaram
Femininos:

A fome
A dor
A pobreza
A miséria
A intolerância
A guerra

Mas que também se almeja
Na qualidade supra do gênero

A paz
A alegria
A fartura
A riqueza
A tolerância
A criação


E na ortografia de conjugações
Entre o ser feminino, mulher
Entre o ser masculino, homem

Possamos ao sermos
Mulheres
Um pouco mais de justiça
Um pouco mais de oportunidades
Um pouco mais de igualdade


E do muito que se possa desejar
Que os braços e os abraços
Denominação masculinas
Possam efetuados serem
Como as mulheres o exercem
Femininamente amorosos
E não se tocará mais neste assunto.
Apenas saberemos que
Da junção dos artigos
Teremos um mundo
Ao alcance dos afetos.
Ao menos é o que queremos
Ao menos o que é possível
Ao menos um dia
De reverenciar a Mulher.

quinta-feira, 5 de março de 2009

Exílio II





Exílio II

Carmen L.Fossari

DENTRO DA NOITE PARTIU O ESPELHO
IMAGENS RASGADAS
AOS ESTILHAÇOS
VOARAM NA LUZ
QUE ENLEOU AS HORAS
AO NOVELO DA AURORA
QUE TECEMOS
ONTEM.
AO TEAR DAS AGUAS
EM TORMENTAS
ONDE SUBMERGIMOS
RODAM OS LIQUIDOS
CRISTAIS DO PRANTO
ESTANCADO AO SORRISO
PARA EMERGIR
DE STE EXÍLIO
ONDE SOU APENAS SOMBRAS
RECORTADAS EM MUITAS
DE PEDAÇOS QUE A IMAGEM
AQUEBRANTOU.
JUSTAPOR AOS FRAGEMENTOS
BÚSSOLA, EVOCO-A!
AO MAR QUE DE REGRESSO
EU ME ENCONTRE,
AO PÁIS ONDE
ME HABITO SEM FRONTEIRAS
NEM TEMPESTADES
APENAS A BORDAR
AS ESTRELAS DA NOITE
BELA QUE ANTECEDE
O AMANHECER.

terça-feira, 3 de março de 2009

EXILIO



EXÍLIO
Carmen L. Fossari

FUGI DE TODOS OS CAMINHOS
QUE FOSTES POUCO A POUCO
E NEM TÃO POUCO
COLOCANDO.


ARAMES FARPADOS E PEDRAS.
DE FORMA ACINTOSA,
EM QUE PAIS ENCONTRATES ESTES MATERIAS?
IGNORO.

A LINGUA AONDE O VERBO NÃO
SE TORNA IMPERIOSA
PENSEI DE IGUAL IGNORAR.

MAS SOMOS HUMANAMENTE
FRÁGEIS, E A MIMESE
NÃO É PRIVILÉGIO DOS CAMALEÕES,
E A OSMOSE, UMA TATUAGEM MUTANTE.

QUANDO PERCEBI ERA NOITE
E JÁ TARDA O AMANHECER
HÁ UMA PRAÇA AO SUL DO MUNDO
ONDE RUIRAM AS PEDRAS
DAS CATEDRAIS AONDE
BORDEI EM PALAVRAS MINHA MELHOR LAVRA

SE NÃO DE OURIVESARIA
DE FIOS NOBRES TECIDOS
AO TEAR DA LISURA
DE UM ESTAR NO MUNDO SEM
PUDOR,
INTEIRA
SEM AMARRAS

QUE NÃO OS NÓS QUE ME ALÇAM
AS VELAS
AONDE VELEJO AS HORAS
AO MAR DA VIDA, NAVEGANTE

VI ASSOMBRADA , NAS BÚSSOLAS
INDOMÁVEIS
NÃO CONHECER A QUEM DE TODO
IMAGINAVA

NÃO CRUCIFICAREI
NEM PERSONAGEM REFÉM
VOU INTERPRETAR
APENAS O FIO QUE TECI
EM PALAVRAS A LUA VERMELHA
DE UM DIA
VEJO AGORA EM PEDAÇOS
SOB MEUS PÉS AO
EMARANHADO.

TODOS OS NÓS
SÃO O CONTORNO TEU
DE ESTAR CEGO,
DESDEMONA É FICÇÃO
E NUNCA DELA INTERPRETARIA
MEU ESTAR
NA PRAÇA AO SUL DO MUNDO
ME EXILO
E FAÇO DELE NOVA MATÉRIA DE POESIA