segunda-feira, 1 de setembro de 2008

SETEMBRAIS


Botticelli -PRIMAVERA


SETEMBRAIS


Carmen L. Fossari



Setembrais
Iniício do tempo segundo
Do ano que galopa
Num prado de lilases
Dias, sob a relva das noites
Dos segundos que pensam serem
Eles mesmos ,asas de uma libélula.
A esquina do calendário
Escorre no rio dos sonhos
E forma um caderno
De diárias confissões
Que é preciso desempacotar o sol
Recolocar as esperanças num varal
Ao léo, ao tempo, do sem tempo
E é precido espraiar-se
Na praia que impede
Nossa vida de ser apenas
O mar e nada mais
Infinitos azuis
Borbulhantes brancasespumas
Paridas do azul da aguas
Como uma mágica
E as flores aos campos
Retiradas desejam tão somente
Retornarem nas terras tão infindas
Que se querem não mais de latifúndios
Improdutivas
E de verde e trigo
Ao pão de todos
Serem alvo.
Setembrais
O amor que recomeça
Na espera de quem zela
Por afeto
De quem aquece o corpo
Ao outro corpo que enleia
Em asas da libélula ao por do sol
E faz a noite ser mais que um mistério
Um rio caudaloso e borburante
Doces aguas que desaguam
Em setembrais.

1 de setembro de 2009
ilha





.

2 comentários:

joão m. jacinto & poemas disse...

Belo poema, Carmen!

Grato pelo belo poema, postado no meu blog!

bj,


jj



Em Setembro
o fim dos Eus,
já esquecidos de nascer,
já colhidos
de maduros.


O trabalho
defende-nos do abismo,
do caos...

É tempo de partilha
e crescermos juntos
até nos afogarmos
no mar da satisfação
e da plenitude.




joão jacinto

CARMEN L. FOSSARI disse...

Muito belo teu SETEMBRO
obrigada, qe o rio da vida

desgua num oceano de mistérios
beijo

carmen